Não, obrigada.

Vamos praticar a imaginação: na sala 1, estão todos aqueles clientes que você sempre sonhou em trabalhar. Na sala 2, são aqueles outros pelo quais você não esperava tanto assim. Quem é que chega primeiro quando você começa a empreender? Para muitas pessoas, a resposta é a sala 2.

Quando se está começando, as estratégias e preferências são um pouco diferentes de quando o caminho já está melhor traçado. No início, você precisa de capital para começar a investir. Por isso, aceita até pegar alguns clientes que não gostaria tanto assim para se desenvolver melhor: seja financeiramente; seja para formar portfólio; seja para ter mais experiência em determinada área.

À medida que o tempo vai passando, e a empresa começa a se estruturar melhor, dizer “não, obrigada” começa a ser uma opção. Mas estamos tão presos ao modelo do início que acabamos optando pelo sim. “E se sair aquele outro cliente?”, “E se eu não pagar minhas contas este mês?”, “E se meu portfólio não for suficiente?”. São muitas questões que surgem e influenciam na decisão final. Mas vou listar algumas perguntas de reflexão para se chegar ao “não” com mais propriedade.

Imagem: @criatilha

1. Este é mesmo o seu trabalho?

Nem sempre se faz o que se ama quando a empresa está iniciando, isso é um fato. Queremos projetos ambiciosos, mas precisamos pegar também o feijão com arroz para manter o dia a dia. O que não vale é pegar um trabalho que não é o know-how do seu negócio só para dizer que tem um cliente ou já fez alguma coisa. Mantenha-se no foco!

2. Você tem outras prioridades?

Se você já tem 99 problemas e não consegue dizer não para mais um, definitivamente, não é o momento de pegar este cliente. Podemos até nos disponibilizar a fazer um trabalho diferente em busca de expandir conhecimento, mas é preciso ter tempo e comprometimento para se dedicar a novos rumos.

3. Em quê este job vai te agregar?

Aquela sua prima que mal fala com você resolveu abrir uma empresa e te pediu um preço especial só para família? Pense um pouco antes de se sentir culpada em negar. Esse trabalho pode ser só mais e não te agregar em nada! Se não trouxer melhoria para o seu portfólio e o preço não valer a pena, é melhor repassar para outra pessoa de confiança

4. Você precisa desse job para pagar suas contas?

E, claro, o ponto que sempre fala mais alto: “esse job é essencial para pagar meus custos”? Nessa hora, você precisa lembrar que não é apenas o dinheiro que está envolvido. Tem também seu tempo, sua expertise, seu equipamento e, talvez, outras pessoas da sua equipe.

Esperamos que essas dicas te ajudem na hora de decidir a dizer um “Não, obrigada” sem culpa. Além de liberar espaço na agenda, você terá tempo de procurar os jobs que realmente vão agregar valor para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *