Como cocriar com influenciadores?

Nada parece estar mais em alta do que o marketing de influência. Se antigamente fazer uma publi com uma subcelebridade era o foco das marcas, agora o que está em alta é fazer parcerias com influenciadores de comunidades. E qual é a diferença?

Imagem: Pexels

Macroinfluenciadores – Felipe Neto, Hugo Gloss ou Camila Coutinho

Apesar de já trabalharem com nichos, esses influencers já alcançaram grandes patamares e, consequentemente, levam consigo uma grande audiência que atinge também nichos diferentes. A grande diferença é a comunidade que eles construíram em torno de si. O veículo da Camila Coutinho fala diretamente com um público da moda, trazendo muita autoridade no assunto. Mas a microcomunidade ao redor da influencer já conversa com um subnicho: a moda e o luxo. Ambas as marcas possuem branding bem elaborados – e cabe aos parceiros avaliar em qual veículo melhor se encaixa a parceria.

Microinfluenciadores – Indico em Fortaleza, Blogueira de Baixa Renda e Meg e Meg

Aqui, temos o ponto em comum entre os grandes influenciadores com altos números e os pequenos influenciadores – que ainda assim são bastante expressivos. Com cerca de 100 mil seguidores, esses perfis carregam uma forte identidade sobre seus nichos: um fala sobre a cidade de Fortaleza e suas atrações; outra fala sobre um estilo de vida nada luxuoso e a outra comenta sobre o dia a dia em uma papelaria. 

Imagem: Pexels.

Cocriar é melhor que publi – para ambos os lados

O objetivo de uma marca que deseja usar o marketing de influência para fortalecer o seu branding deve ser sempre cocriar com o influenciador, usar o que ele tem de agregador no seu branding pessoal para validar o posicionamento de marca. Na prática, a marca precisa dar liberdade para o cocriador expressar suas ideias e opiniões a respeito de um produto ou de um serviço.

Se o criador de conteúdo recebe uma pauta engessada, definida até com a frase que ele precisa dizer ou, pior ainda, com um discurso que nem é o dele, a chance dessa publicidade não surtir efeito é grande. 

Imagem: Adobe Stock.

A comunidade em torno do criador busca uma opinião verdadeira, quer as ideias que ele sempre propaga e busca a autenticidade das criações. Sendo assim, quando a marca quer divulgar um produto dentro desse contexto que já existe, o espectador pode criar uma identificação genuína, pois sabe que o conteúdo é verdadeiro. E, aí sim, temos um benefício para ambos os lados.

Você é proprietário de uma marca e já atuou com algum influenciador? Conta pra gente como foi a sua experiência e qual é o seu nicho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *