Como ter mais alcance no instagram?

marketing digitalinstagram

Essa é uma forma diferente de perguntar “Como conseguir mais seguidores no meu instagram?”, que também é uma questão que respondemos sempre por aqui. Existem algumas respostas possíveis para se conseguir uma estratégia de maior alcance, e é importante que se sigam todas elas para obter bons resultados. Vamos falar de algumas delas?

Publique posts carrossel

Muita gente tem falado (e nós temos constatado por análise de dados) que o carrossel pode performar melhor que alguns posts. Isso porque ele pode manter a atenção (e o engajamento) da pessoa que está vendo sua publicação, uma vez que ela irá parar para consumir o restante do conteúdo.

Além disso, quando patrocinada, a ferramenta pode funcionar como um teste A/B. Segundo o próprio Facebook: “Mostre primeiro os cartões do carrossel com o melhor desempenho. O formato de carrossel permite testar várias partes do criativo de uma só vez e ordená-las de acordo com o desempenho.”. Esta é uma funcionalidade automática, disponibilizada pela própria ferramenta.

(more…)

10 podcasts comandados por mulheres

marketing digital

Que o protagonismo feminino é importante, todo mundo já sabe! Mas o que ainda falta é termos mais dele – especialmente quando se trata de discussão das nossas vivências e da contação de histórias pelo viés feminino. Para impulsionar isso, selecionamos alguns podcasts feitos por mulheres para você ouvir e acompanhar.

O Despautada fala sobre cultura pop e é comandado por Fernanda Eggers. Entre as temáticas, estão livros, filmes de ficção, seriados, RPG, HQs e outros assuntos da cultura pop.

Jornalismo de Peito Aberto é o slogan do Mamilos, um dos podcasts mais conhecidos do país, apresentado por Juliana Wallauer & Cris Bartis. Sempre traz convidados tocando em assuntos relevantes com abordagem jornalística: como família brasileira, orientação de gênero, maternidade, política, entre outros.

(more…)

Kizuna Pills #07

marketing digital

Nossa news sobre novidades do mundo do design e da tecnologia já está no ar! Desta vez, trouxemos novidades para você que tá de boinhas na quarentena querendo se atualizar. Vamos nessa?

Novos templates do Instagram

Já viram os templates prontos para utilizar nos stories? Você pode escolher seus sabores de pizza preferidos, pode fazer um desafio de desenho ou pode escolher uma música. Vamos aprender a usar?

Primeiro, você abre a câmera para postar um novo story. Em seguida, escolhe o modo “Criar” na parte de baixo e escolher a opção “Modelos”.

Depois, é só tocar na tela até chegar no modelo que você gosta. Também dá pra mudar a cor do fundo clicando na bolinha de cores. Tendo escolhido o modelo preferido, é só soltar a imaginação! Se não conseguir achar essa opção veja se o seu instagram está atualizado

Desafio #VogueMagazine tem foco em negras

Você já deve ter visto por aí: várias pessoas e influencers fazendo o desafio #VogueChallenge de se colocar na Capa da Vogue Magazine. Só que existe um porém.

O desafio foi pensado para incentivar minorias a aparecerem mais nesses tipos de publicação. Ou seja: pessoas negras, asiáticas, indígenas e outras etnias que quase nunca são valorizadas pela sociedade.

(more…)

Case de sucesso: Aliança Francesa Fortaleza

brandingestratégia

Falar dos nossos clientes é sempre um orgulho, especialmente quando podemos compartilhar ideias que servirão para outras pessoas alavancarem seus negócios e se inspirarem em ações de marketing. Por isso, hoje, falaremos da Aliança Francesa Fortaleza (AF), um curso de idiomas da cidade que se renovou em tempo recorde e conseguiu levar o ensino EAD para seus alunos durante o lockdown.

Migração de offline para online

As aulas da AF sempre ocorreram presencialmente. Antes da pandemia, os alunos se dirigiam à sede Aldeota e faziam seus cursos pessoalmente em diferentes níveis de educação de letras – conversação, extensivo, intensivo etc.

Com a impossibilidade de manter esse método de trabalho, as aulas passaram imediatamente a acontecer online, por meio de videoconferência. Mas quais foram os diferenciais?

(more…)

Kizuna Pills #06

brandingdesign

Arte em tempo de quarentena: indicações para animar os seus dias em casa

Em meio a tantas incertezas nesse período, temos uma certeza: a de que a arte nos ajuda a diminuir a ansiedade, o estresse e outras preocupações. As séries têm nos entretido, os livros têm ajudado a expandir a nossa imaginação e as lives feitas por cantores têm nos relaxado.

E mesmo sendo a arte uma das áreas mais afetadas durante a pandemia, muitos artistas continuam expondo seus trabalhos pelas redes sociais. Hoje, vamos indicar alguns projetos e artistas que podem te revelar novos sentimentos e, quem sabe, até te inspirar a iniciar um novo hobby.

(more…)

Mulheres fazem a diferença em tempos de crise

marketing digital

Mulheres fazem a diferença em seu mercado de trabalho todos os dias. Da saúde à moda, em diferentes segmentos, elas contam para a Kizuna como têm sido superar os desafios dessa nova fase que vivemos e as ações realizadas para se reinventar em tempos de crise.

Desafio: essa é a palavra do momento para quase todos os empreendedores e empresários no mundo. Manter um negócio sempre foi desafiador, mas quando as possibilidades são estritamente limitadas, as saídas precisam ser inovadoras. A resiliência e a capacidade de adaptação são pontos-chave para cinco mulheres que nos contaram sobre como tem sido se reinventar e criar estratégias para manter seus negócios em plena pandemia. Vamos ler o que elas têm a nos ensinar?

Marjorie Lemos, sócia-diretora da Loja Tribbus (moda feminina), responde sobre as adaptações que tiveram de ser feitas após o fechamento do comércio cearense.

“Temos lojas físicas [de moda feminina] no shopping e estamos sem funcionar desde o dia 19 de março. Foi difícil, porque além de tudoo, descobri no mesmo mês que estava grávida. Sendo grupo de risco fica mais arriscado pra mim ir e vir do shopping para pegar mercadoria, ir para os correios e fazer as entregas – que eu mesma estou fazendo de carro. Os custos são muito altos e continuam sendo mesmo com a loja fechada. As vendas não chegam nem perto do que eram e tivemos perdas em aluguéis de vestidos de festas, já que todas as festas foram canceladas ou adiadas. 

(more…)

05 aplicativos que podem ajudar microempreendedores

brandingempreendedorismoestratégiamarketing digital

No contexto que vivemos, em isolamento por conta do Covid-19, muitos trabalhos foram totalmente parados. Mas quem teve a possibilidade de trabalhar remotamente, está aos poucos se adaptando ao home office. Por isso, compartilhamos aqui alguns aplicativos que podem ajudar você, microempreendedor, neste período. São apps que facilitam a organização das tarefas de maneira super simples e na nuvem, para que o trabalho possa render mais de maneira tranquila.

Google Drive

Está difícil organizar as demandas nesse momento de incerteza? O Google Drive te possibilita criar e compartilhar em tempo real tudo com a sua equipe, de qualquer lugar. O Drive é um serviço de armazenamento na nuvem gratuito (ao entrar, você tem 15GB de espaço. Caso precise de mais, você tem a opção de comprar). Além de funcionar para hospedagem de arquivos, tem diversos aplicativos do Google integrados, como o Google Docs, Slides, Formulários, Planilhas, entre outros, otimizando as atividades em um só lugar.

(more…)

10 tendências de consumo pós-covid

estratégiacovidmarketingprevisões

Bem-vindos ao marketing em tempos de covid. Sim, tudo o que você conhece de clássico precisa mudar. Entramos numa era de reformulação – ousaria dizer que de Revolução Digital. Fazer marketing como antes não faz mais sentido. Fazer logística como antes não terá os mesmos resultados. As estratégias precisam ser repensadas, e as táticas são ainda mais importantes agora.

Neste post, juntei 10 tendências para o futuro pós-covid, baseadas em artigos da Harvard Business Review, pesquisas do Instituto Akatu e do Morning Consult, além de outras influências, como resumo de palestras online promovidas pelo South by Southwest.

1. Quem dita as regras é o consumidor

Parece que é só contrário, não é? Mas quem faz as regras é o consumidor e não exatamente a indústria. O pensamento é simples: imagine que as pessoas mudam um simples hábito de consumo: o tempo de uso de cada produto. Com mais tempo entre a compra e o descarte, menos uma loja irá vender aquele mesmo produto. Esta simples ação tem um impacto enorme em diferentes cadeias produtivas.

Segundo o diretor presidente do Instituto Akatu, Helio Mattar, 25% da população consome cerca de 75% dos recursos da Terra. Uma conta que não fecha há um tempo e que já demonstrava sinais de mudanças, especialmente pelo consumo (compra, uso e descarte) consciente. A época de coronavírus veio como um catalisador dessa forma de pensar para os consumidores.

2. O poder do hábito – e a nova zona de conforto

Já ouviu falar que leva em torno de 28 dias para se criar um novo hábito? Estamos há pouco mais de 30 dias na quarentena, mas as previsões propõem temporadas de quarentenas intercaladas ao longo de dois anos. Imagine quantos hábitos isso irá mudar. 

No início, tanto pessoas quanto empresas pararam e não agiram. E isso é comum: entender o que está acontecendo e, só então, propor novas ações. Agora que estamos nos acostumando com tudo, novos hábitos estão se criando. As formas de comprar, socializar, demonstrar afeto e, especialmente, cuidar da saúde, mudaram totalmente. Como esses hábitos tendem a se prolongar, é natural que se tornem uma “nova zona de conforto” e parte da população os mantenham após a pandemia.

(more…)

Como famosos ajudaram no combate à pandemia?

marketing digital

Em meio à situação que vivemos, diversos artistas e empresas se comoveram com a proporção que tomou a vida de milhares de pessoas. Com isso, muitos decidiram doar variadas quantias em dinheiro para ajudar tanto no processo de pesquisa de vacinas e remédios como em equipamentos para hospitais do mundo todo.

Inspirados por essas ações que, além de ajudar o mundo, fortalece o seu branding, listamos alguns famosos e gigantes do mercado que fizeram doações pelo mundo. São eles:

Burger King Brasil

A empresa, Burger King Brasil, franquia que possui o controle das marcas Burger King e Popeyes no país, comunicou que fará doação de verbas para a prevenção e controle do novo coronavírus. De acordo com a empresa, uma parcela líquida de qualquer sanduíche vendido na rede será designado ao SUS (Sistema Único de Saúde). Os fundos poderão atingir em média R$ 1 milhão.

Ambev

A Ambev decidiu ajudar de uma forma diferente. Fazendo uso da capacidade de produção da empresa e tirando o álcool produzido em suas cervejas, utilizaram as embalagens de seus refrigerantes para fabricar 500 mil unidades de álcool em gel, que serão doadas a hospitais públicos dos municípios de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.

Maganize Luiza

As famílias Garcia e Trajano, responsáveis pela marca Magazine Luiza, informou que farão a doação de R$10 milhões em equipamentos e itens para ajudar no tratamento das vítimas da pandemia do coronavírus. A quantia está sendo designada à compra de leitos, travesseiros, colchões e respiradores artificiais para equipar hospitais públicos e filantrópicos de todo o País.

(more…)

Como o coronavírus impactou a cerveja Corona?

marketing digital

A terceira cerveja mais popular dos Estados Unidos, a Corona (que significa “coroa”) além de sofrer com a baixa da economia, também passa pela rejeição devido à relação entre os nomes da marca e do coronavírus – mesmo que uma coisa não tenha nada a ver com a outra.

Segundo dados da YouGov, a intenção de compra da cerveja diminuiu nos EUA, chegando ao pior número nos últimos dois anos. Além disso, as ações dos fabricantes da cerveja também caíram em 8% na bolsa de valores – quando a epidemia estava ainda na China. Afinal, o que a marca fez para combater essa rejeição?

A Corona Extra tem pouco mais de 4% dos 10% do mercado de abocanhando pela detentora da produção, Constellation Brands, nos Estados Unidos. A empresa manteve o posicionamento ligado à “vibes verão” e disse que a queda nos números não estão relacionados ao coronavírus, e sim à temporada de inverno no hemisfério norte.

Além disso, a empresa foi fortemente criticada no twitter ao lançar uma publicidade do seu novo produto, com o conceito “coming ashore soon” – que pode ser traduzido como “chegada repentina”. Muitos internautas associaram o mote à chegada repentina do coronavírus e tacharam a propaganda de muito mal gosto.

Fale mal, mas falem de mim

Nem toda gestão de crise, de fato, mostra empatia. As vezes, algumas marcas mantêm o seu posicionamento de mercado e podem, inclusive, acabar ganhando marketing em cima das polêmicas. Sim, este é um pensamento arriscado e precisa ser revisto dentro de cada estratégia.

Se analisarmos, o público que consome a cerveja Corona entende o que a marca quer dizer, entende que ela já existia muito antes da pandemia e sabe que uma coisa não tem nada a ver com a outra – exceto pelo nome.

Olhando também pelo lado financeiro, a bolsa como um todo teve uma queda na venda de ações durante certo período, incluindo a Constellation Brands. E o que não falaram muito é que a empresa teve um aumento de 5% na venda de ações no início da epidemia em outros países.

É bem possível que alguns clientes deixem de consumir a Corona Extra ou que a marca perca novos consumidores por um tempo. Mas antes de avaliar as ações de marketing, é preciso avaliar a estratégia de vendas e faturamento. Só assim é possível decidir se é melhor seguir com o barco ou mudar totalmente o branding.

Marcas que inovaram na quarentena

estratégia

Devido ao alastramento do COVID-19 (coronavírus), o país entrou em alerta geral, fazendo com que a população se resguardasse em casa para que o número de casos fossem mínimo, gerando assim um período de quarentena.

Com isso, algumas marcas rapidamente se posicionaram diante da situação e se disponibilizaram a prestar serviço gratuito à população por um período limitado, como forma de solidariedade. Trouxemos algumas dessas propostas para inspirar seu trabalho no home office.

Streaming

Serviços de streaming são os mais procurados durante esse período por que  é um entretenimento satisfatório e cômodo, sem falar no sentimento de relaxamento que pode proporcionar.

A GloboPlay entendeu essa possibilidade e liberou acesso gratuito por 30 dias, com mais de 30 títulos de entretenimento. Entre eles, estão disponíveis todas as temporadas de Malhação, mais de 20 produções do grupo Disney (incluindo filmes da Marvel e Pixar), além de séries originais e programas infantis.

Cursos online gratuitos

As instituições de educação (sejam elas físicas ou apenas online) também entraram na onda da quarentena e disponibilizaram diferentes cursos de forma gratuita para quem vai aproveitar o período para se especializar. Entre elas, estão grandes nomes do mercado, como: Harvard, FGV, SEBRAE, Faber-Castell e Udemy.

A Universidade de Harvard oferta mais de 100 cursos online gratuitos, com certificado e segmentados em 14 áreas: Artes e Design; Gestão e Negócios; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Ciência Ambiental; Governo, Leis e Política; História; Humanidade; Matemática e Análise de Dados; Medicina e Saúde Pública; Religião e Espiritualidade; Ciência e Engenharia e Ciência Sociais.

Para ter acesso aos curso basta clicar aqui e ir para o site.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) disponibilizou 55 cursos gratuitos com certificados em sua plataforma online. Dentre as áreas de especialização, estão: Administração, Direito, Recursos Humanos e Marketing.

Ficou interessado? Acesse e comece a colocar os estudos em prática.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) liberou uma variedade de cursos online com certificados. Entre as especialidades, estão: Marketing, Gestão e Negócios, Finanças, Vendas, entre outros.

Para continuar integrado sobre os curso, você pode ter acesso clicando aqui.

A plataforma de cursos online Udemy possibilitou aos usuários o acesso a diversos cursos em variadas áreas de atuação, como: Fotografia, Marketing, Design, Negócios, entre outros.

Confira todos os cursos oferecidos pela plataforma clicando aqui.

A empresa Faber-Castell disponibilizou, até dia 19 de abril, em sua plataforma online, uma variedade de curso de desenho criativo para todas as idades. Entre eles, estão: Dicas de Desenho Realista, Lettering Básico e Avançado e Técnicas de Narrativas Visual.

Acesse a plataforma da Faber-Castell clicando aqui.

Posicionamento de Marca

As marcas precisam estar sempre atentas às novidades do mercado, podendo assim se posicionar de maneira estratégica. Enquanto umas empresas ficaram completamente perdidas com a chegada da quarentena, outras souberam usar estratégias para se reinventar rapidamente, como foi o caso das empresas Mercado Livre e iFood.

Após alguns dias do anuncio de quarentena, a equipe do Mercado Livre reposicionou sua marca. Atentos aos acontecimentos e, principalmente às orientações de cuidados higiênicos, decidiram alterar temporariamente sua marca. Onde antes trazia o contato físico de duas mão “fechando uma compra”, hoje, após a reformulação, podemos ver um toque de cotovelos – uma das orientações dadas pelo Ministério da Saúde em combate à transmissão do COVID-19 (coronavírus).

O Ifood também soube aproveitar o momento. Tendo passado recentemente por várias críticas ao seu formato de trabalho não regulamentado pela CLT, a empresa aproveitou o momento de crise para se posicionar favorável à situação – fortalecendo assim a sua marca. A marca criou um fundo solidário de R$50 milhões para dar suporte aos restaurantes parceiros, e também deixou um recado de prevenção aos usuários pelo app.

Imagem: Techtudo

Gostou das ações implementadas? Conta para gente: quais as dificuldades que você tem enfrentando no período de quarentena? Compartilhe com a gente também ideias de inovação!

Kizuna Pills #05

marketing digital

Estamos vivendo tempos conturbados e sabemos que eles podem ser muito difíceis para as nossas vidas e também para o mercado. Mas é nesse momento de crise que buscamos formas de olhar para si e também para os nossos negócios e nos reinventarmos. Felizmente, achamos alguns exemplos para nos inspirar!

Festival Música em Casa

Devido o alastramento do COVID-19 (coronavírus) no Brasil, o país entrou em estado de alerta. Foi decretado uma quarentena até o fim de março para que a população corresse menos riscos de contaminação. Com isso, muitos shows, eventos, empregos, aulas, entre outros, tiveram que ser adiados ou, até mesmo, cancelados.

A partir disso, a Universal Music juntamente à Global Talent Services – GTS teve a iniciativa de convidar artistas para apresentar pockets shows em lives do Instagram. As apresentações acontecerão entre os dias 20 e 29 de março. E contarão com a participação de cantores como: Sandy, Luisa Sonza, Vitão, Jão, Melim e até mesmo do cantor Di Ferreiro, que recentemente foi diagnosticado positivo para coronavírus e está em isolamento em casa.

Para mais detalhes sobre horários das lives basta acessar o instagram do festival: @festivalmusicaemcasa.

Home office + Apps para quem precisa trabalhar à distância

Home office é o termo em inglês que significa “trabalhar em casa”, uma prática muito comum entre freelancers, empresas de tecnologia ou com uma postura mais moderna que adotam o trabalho remoto. Porém, o home office não se priva apenas a esses casos. Essa técnica pode ser implementada quando o funcionário não pode estar presente, quando o empresário quer reduzir custos ou em casos de emergência – como o que estamos vivendo. O home office é uma excelente alternativa.

Trabalhar em casa é ótimo para uns, mas pode ser desafiador para outras pessoas. Mas com paciência e organização tudo se resolve! Por isso, aqui vão algumas dicas que poderão lhe ajudar a otimizar melhor seu tempo:

Achou que acabou por aí? Nada disso! Trazemos também algumas sugestões de apps que estamos utilizando e estão sendo bons aliados à nossa equipe durante o home office.

(more…)

Kizuna Pills #04

marketing digital

No #KizunaPills de hoje, trazemos notícias do mundo, mas mostramos que o Brasil tem vários bons exemplos e está saindo na frente: seja na pesquisa ou seja no mercado de trabalho. Vamos nos inspirar?

E se as princesas da Disney fossem negras?

Por meio de um ensaio fotográfico com penteados e figurinos superelaborados, a cabeleireira LaChanda Gatson criou um novo universo de representatividade. Inspirada nas princesas da Disney (de forma não declarada), ela fez um ensaio super profissional com princesas negras. Achamos que ficou incrível! E você?

Confira o ensaio completo aqui: hypeness.

Empresa Zee.Dog é pioneira ao diminuir a carga de trabalho

Já imaginou trabalhar menos dias na semana? A Zee.Dog, empresa brasileira que fabrica produtos para pets, entendeu a tendência mundial e decidiu aplicá-la ao seu escritório: agora, os funcionários possuem três dias de folga na semana, ao invés de apenas dois. A mudança foi inspirada na empresa Perpetual Guardian (Nova Zelândia), e a Zee.Dog espera um aumento de 20% nos rendimentos com esta ação. A Kizuna é adepta desta ideia da carga-horária reduzida.
Fonte: Forbes

(more…)

Faça o teste e descubra: sua marca é realmente forte?

marketing digital

Você já deve ter ouvido falar de branding e sobre como essa ferramenta é importante para fortalecer o relacionamento entre uma marca e o seu público. O branding é um conjunto de estratégias que, quando bem utilizadas, podem agregar valor ao seu produto, ao seu serviço e ao nome do seu negócio. E, quando mencionamos valor, nos referimos à valorização do que é produzido pela marca, e também ao preço que é colocado no produto ou serviço na hora da venda.

Mas como saber se minha marca tem esse valor?

Primeiro, é preciso identificar como o seu público recebe a mensagem que você passa. Além disso, também avaliamos a comunidade ao redor da sua marca e se os valores que ela passa estão claros para você (que está a frente da marca) e para os seus clientes. Desta forma, conseguimos fazer um diagnóstico de como está a construção do seu branding: se já possui um posicionamento forte, se ainda precisa ser melhorado ou se ainda nem começou a ser construído.

(more…)

NRF 2020: conheça as novas macrotendências do varejo

estratégiaNRFVarejo

Todo ano, a National Retail Federation promove uma das maiores feiras de varejo do mundo. Este ano, em Nova Iorque, ocorreu a NRF 2020 – Retail’s Big Show & Expo, que reuniu mais de 40.000 pessoas para compartilhar ideias, tendências,  parcerias e experiências. 

O título “2020” não foi à toa: conhecido como a “visão perfeita”, o número 2020, além de representar o ano em que estamos, faz referência ao cálculo exato no qual o ser humano enxerga normalmente todas as letras do teste de visão. O número 20 é devido à distância “20 pés”. 

Enquanto não estamos nas federações que vão até a NRF anualmente, contamos com o convite de um dos nossos clientes, o grupo Ancar Ivanhoe, que faz uma tour por cidades brasileiras com o Pós-NRF, um evento que apresenta as macrotendências apresentadas na feira. Vamos conhecê-las?

Diversidade importa!

Em 2020, não dá mais para ficar em cima do muro. As empresas precisam tomar partido e ter uma mensagem clara para o consumidor. Qual é o seu propósito de marca? Quais são os seus valores? Quem faz parte da sua equipe? Quais sãos os efeitos, o lixo e o impacto gerado pela sua cadeia produtiva?

(more…)

Kizuna Pills #03

marketing digital

Já estamos de volta com o Kizuna Pills, nossa curadoria de conteúdos que vai te manter informadx sobre branding, design e social media. E, nesta semana, falamos sobre música & divulgação via redes sociais, design que gera dúvida e novidades sobre nosso primeiro Workshop. Confira abaixo!

Selena Gomez e Justin Bieber usam redes sociais para alcançar o topo das paradas

A cantora Selena Gomez lançou uma parceria com o serviço de streaming Spotify para o lançamento do seu álbum “Rare”, que levou quatro anos para ser finalizado. Entre entrevistas e divulgações no Instagram, a cantora também conseguiu uma thread no twitter sugerida por fãs – na qual você escutaria todo o álbum e ganharia o serviço premium. A thread, na verdade, era uma forma de emplacar o álbum como um dos mais ouvidos.

(more…)

Criação de conteúdo para natal e ano novo

marketing digital

Será que vale a pena produzir conteúdos e fazer criações voltadas para as festas de fim de ano? As pesquisas digitais nos dizem que sim! Seja para o natal ou para o réveillon, as marcas aproveitam os períodos festivos para fazer coleções cápsulas, fazer campanhas para vendas de ocasião e, claro, produzir bastante conteúdo relacionado a esse momento.

Uma breve pesquisa no Google já nos dá bastante informação: em apenas 0,64 segundos, 145 milhões de resultados são exibidos quando se busca o termo “compras de natal”. Para o réveillon, mais de 7 milhões de pessoas pesquisam o que usar no ano novo – gerando uma oportunidade incrível para quem trabalha com moda.

(more…)

Preço, praça, produto e promoção: o que mudou nos 4P’s do marketing?

marketing digital

Preço, praça, produto e promoção: os 4P’s do marketing existem desde que foram descritos por Kotler na Bíblia do Marketing – e vêm sendo usados de formas variadas desde então. Enquanto isso, muitas pessoas buscam por novidades e fórmulas milagrosas para fazer valer cada um desses pontos, mas a verdade é que eles são os mesmos há um bom tempo.

E o que muda então? A variação ocorre dentro de cada uma dessas categorias: você pode variar seu preço, tornando o produto mais atrativo ou mais valorizado. Pode mudar a praça: ter uma loja física, vender somente online ou apostar em cidades diferentes com um negócio franqueado. E a promoção? Aqui é onde vamos falar melhor neste post.

(more…)

Como conseguir mais seguidores nas redes sociais?

estratégiamarketing digital

Conseguir um grande número de seguidores é um marco importante para qualquer pessoa ou empresa que deseja ter presença nas redes sociais. E, mesmo que muita gente tenha entendido que não deve ser o fator principal – e sim a construção desse relacionamento – não podemos negar que um grande número de seguidores causa impacto. Afinal, como conseguir esse número? Existem algumas estratégias!

1️⃣ Tenho poucos seguidores? Devo contratar uma automação de seguidores? Não! A melhor forma de construir RELACIONAMENTO com seus seguidores é se relacionando. A automação pode sim ser usada para outros objetivos, mas apenas seguir e deixar de seguir não traz resultado nenhum além de números – além de despencar o seu engajamento. 

(more…)

Kizuna Pills #02

brandingmarketing digitalinovaçãoinstagramted talk

Toda semana, traremos informação do que acontece sobre empreendedorismo, branding e social media para você se atualizar e ter mais bagagem para esse universo tão rico que é o da comunicação.

@Creators, conta criada pelo @Instagram para influenciadores

Com a maior valorização dos influenciadores digitais, redes como o Instagram e Youtube buscam estar à frente em termos de tecnologia e inovação. Além dos novos recursos para manter o mercado aquecido para as marcas, o Instagram criou mais um canal: o @creators. Desta vez, busca se comunicar diretamente com criadores de conteúdo.

O @creators é um espaço dedicado para novidades que acontecem no universo dos criadores de conteúdo, se comunicando e dando voz a eles. É importante frisar que é um ótimo canal para ficar por dentro de contas que utilizam muito bem a ferramenta!

Arezzo apresenta nova campanha em parceria com a Pantone

No nosso Instagram, já falamos um pouco sobre cocriação (vale a pena conferir:  @kizunabranding). E, hoje, trouxemos mais um exemplo: a cocriação aconteceu entre duas marcas que nós admiramos bastante: Arezzo, uma marca brasileira muito forte no segmento da moda, e a queridinha dos designers, Pantone – marca mundialmente famosa e uma autoridade em cores.

Foto: Arezzo.com.br/Pantone

A coleção Arezzo + Pantone trouxe vários produtos com uma pegada mais jovem e utiliza tons lindos e coloridos, trazendo mais vida para a marca! A Arezzo atualmente tem um público-alvo com uma faixa etária mais madura e, trazendo ações em conjunto com marcas mais descontraídas, atinge uma outra fatia de mercado.

P.S.: se você é apaixonado por cores e ama as peças da Arezzo, a coleção realmente está imperdível!

Palestra RD SUMMIT: a inovação pelo fracasso.

O fracasso está presente em toda e qualquer profissão, mas quando se trabalha com inovação é ainda mais desafiador, pois o fracasso constantemente faz parte do processo.

Numa palestra do RD Summit (Maior evento de Marketing e Vendas da América Latina), Flávio Steffens, Relationship Manager da Vakinha, conta que o fracasso deve ser encarado como parte do processo de criatividade e não como o final da jornada. O interessante é sempre manter-se motivado e entender o fracasso como um recurso para trazer novas ideias.

Entre os pontos relevantes, frisamos a paixão cega por uma ideia. Muitas vezes uma ideia na cabeça é maravilhosa, mas quando executada não funciona muito bem. Por isso, esteja atento e flexível a mudanças ao longo da jornada.

Não se esforce para ser famoso, se esforce para ser talentoso – TED TALK com Maisie Williams

Em meio a tantas palestras incríveis do TED Talks, uma chamou nossa atenção: Maisie Williams – a Arya, de Game of Thrones – conta em 20 minutos como sua carreira teve uma série de oportunidades que a levaram ao papel que mudou sua vida.

Em 10 anos de produção para a série, Maisie largou a escola para lutar pela carreira, mas nunca abriu mão de dar o seu melhor. Ao invés de simplesmente aproveitar a fama, ela usou a popularidade para criar novos projetos. Em 2018, lançou a rede social Daisie, um projeto que abre portas para a colaboratividade: tanto artistas quanto aspirantes podem mostrar seus projetos em busca de parcerias ideais.

Branding para Profissionais Liberais

marketing digital

Você aí! É, você mesmo: você se enxerga como uma marca? Muita gente sim, mas nem todo mundo consegue se engajar no mindset que vai fazer você sair do “sou uma pessoa que tem uma marca” para “sou uma marca forte e consolidada”. É sobre isso que vamos falar hoje.

Existem muitas diferenças entre gerir uma marca para uma empresa – na qual, usualmente, há uma equipe de marketing e estratégia por trás – e gerir uma marca pessoal. Mas os conceitos de marketing não mudaram: eles são os mesmos! Preço, praça, produto e promoção – os 4P’s do marketing – continuam sendo um ótimo ponto de partida para pensar em como fortalecer suas vendas. E o branding serve como background de tudo isso para fortalecer o seu valor percebido.

Quando estamos falando de pessoas, a execução das estratégias de marketing pode acabar saindo um pouco diferente. Ser e viver a sua marca diz respeito também ao que você faz cotidianamente e com quais ações você se compromete para gerar seu valor percebido. E o seu estado de espírito, humor e até suas prioridades diárias podem ser um empecilho em relação a isso. 

Como assim?

Um exemplo prático: todos sabemos que vídeos são o material que gera mais engajamento e alcance nas redes sociais atualmente. Mas, nem todo mundo está apto a fazer esse conteúdo e “botar a cara no sol”. Mas, imagine que uma grande empresa saiba que essa informação e possa usá-la para aumentar seus lucros em até 20%. Certamente, os vídeos entrarão na sua estratégia de geração de conteúdo. Enquanto muitos profissionais acabam não adotando essa estratégia por diversos motivos, entre eles: personalidade, falta de equipamento adequado, falta de tempo ou simplesmente vergonha.

Essa é a hora de reconhecer que a sua marca é a sua empresa. E, na hora de adotar estratégias para fortalecer sua marca e elevar seus lucros, o plano de ação precisa ser executado como “empresa” e não apenas como “pessoa”. Deu pra entender? Quando se fala de branding pessoal, o que você vai elevar é seu nome, sua forma de se relacionar com o público e seus resultados. Sendo assim, é muito importante ter autoconhecimento e saber o que é realmente um empecilho ou apenas uma forma de se esquivar de uma atividade que incomoda a pessoa – e não a empresa.

Valor percebido

Para você entender melhor como a sua marca é percebida, queremos propor algumas atividades. Pergunte a três clientes (ou pessoas que conhecem o seu trabalho):

Que diferencial você vê no meu serviço ou produto?

Quais são as três palavras que te lembram meu serviço ou produto?

Que marcas você conhece que acha similar ao meu produto ou serviço?

Quando obter as respostas, faça a seguinte análise:

Os seus clientes enxergam seu diferencial como uma solução para os problemas deles? Você sabe quais são os problemas dos seus clientes?

As palavras que seus clientes definiram são as mesmas ou são próximas das que você definiria sobre seu serviço ou sua marca?

As marcas mencionadas são marcas que possuem a sua mesma qualidade e valor? Seus clientes mencionaram que sua marca é única para eles?

Uma vez que você entender melhor qual é o valor que os seus clientes percebem sobre você ou seu serviço, você poderá escolher as melhores estratégias para fortalecer sua presença e seu valor de marca.

Na prática:

1. Adote um mindset de empresa: você é a sua marca, então, deve agir como tal. Para profissionais liberais, isso pode ser um pouco difícil, uma vez que sua “empresa” também se mistura com a sua vida. É importante reconhecer e separar.

2. Perca a vergonha: os stories são uma ótima forma de conexão com o seu público. O relacionamento não vem do dia para a noite, é preciso cultivá-lo. 

3. Reconheça seu valor percebido e trabalhe em estratégias de branding que possam engrandecê-lo.


Kizuna Pills #01

marketing digital

Que a internet é um lugar cheio de notícias, todo mundo sabe! Mas ficar por dentro do que é relevante pra você é o que realmente importa. Então decidimos fazer, semanalmente, um post com notícias que fazem a diferença! E como tudo aqui temos que batizar com um nome, resolvemos nomear de Kizuna Pills, sua dose semanal de conhecimento. (: Vamos às news?

Emma Watson lança consultoria jurídica gratuita para mulheres

A atriz Emma Watson lançou um programa de consultoria gratuita para auxiliar mulheres que foram assediadas no local de trabalho. Essa iniciativa visa ajudar de forma jurídica mulheres em situação vulnerável, fazendo a diferença na vida de cada uma delas.

O aconselhamento tem o objetivo de instruir essas mulheres, informando o passo a passo do que deve proceder após o assédio. O serviço será oferecido pela equipe do Rights of Women, além de advogadas trabalhistas voluntárias. Tudo funciona por telefone, através do número 020 7490 0152, disponível às segundas, das 18h às 20h, e às terças-feiras, das 17h às 19h.


Chamar atenção ou prestar atenção?

Pedir/disputar atenção ou prestar atenção? Ficamos muito impactadas por esse vídeo. O ator Joseph Gordon Levitt fala sobre nosso comportamento online e nossa interação cibernética. São lições valiosas para se aprender em 10 minutinhos e virar a chavinha para essa nova onda que vivemos! Assista aqui (clique no balão com reticências para ativar as legendas – disponível em português e outras línguas):

Brasileiros esperam mais ativismo de marcas, diz pesquisa

Cada vez mais enxergamos as marcas não como empresas, e sim como “pessoas”. Cobrar um posicionamento é algo que tem sido cada vez mais pedido pelos brasileiros para suas marcas queridinhas.

Em novo estudo, o Instituto Ipsos, terceira maior empresa de pesquisa e de inteligência de mercado do mundo, mapeou as causas mais relevantes para os brasileiros e o que esperam de marcas “cidadãs”.

Confira a pesquisa completa: Estudo Marketing Relacionado à Causa 2019

Spotify for Podcasters Summit

No ano do podcast no Brasil, o Spotify fez um Summit só para produtores de podcast. Quer coisa mais incrível do que todas as pessoas que você escuta no podcast juntas em um evento todo pensado para podcasters?

O Spotify for Podcasters Summit contou com a presença dos maiores podcasters do Brasil, criando conteúdo ao vivo, trazendo novidades e fazendo crossovers maravilhosas.

Fontes: Hypeness | Meio e Mensagem | Ted Talks | Spotify

Estratégia no mundo Pop

estratégia

Antes de começar a empreender, primeiro, precisamos pensar no segmento ou nicho que vamos atuar. A fórmula que “sempre fez sucesso” é a que devemos seguir? Talvez, o caminho não seja exatamente esse!

Olhando para artistas do segmento da música, podemos tirar várias lições. Afinal, este é um mercado altamente competitivo, com produtos de diferentes tipos e, muitos deles, amplamente saturados. Sim, não é preciso sempre ser pioneiro e inventar a roda: o seu produto pode sim ser algo que já existe. O que vai diferenciá-lo dos demais (além da qualidade) é a estratégia de divulgação – e também a forma como ele será produzido.

Vamos analisar alguns artistas da Música Pop para ver que tipo de estratégia eles têm usado para se diferenciar no mercado – e para quebrar antigos padrões.

O que Anitta, Billie Eilish e Harry Styles têm em comum?

Eles se mantêm inovando, sempre! Poderia dizer: “simples assim”, mas não é bem por aí. Uma coisa muito em comum entre os jovens artistas é que eles se preocupam com uma produção diferente – e até um estilo musical diferente em cada um de seus lançamentos. Essa é uma forma de conversar com diferentes públicos e atrair ainda mais audiência para um nicho já conquistado.

Quebrando padrões, Anitta se tornou uma grande colaboradora, agregando desde os artistas “raiz” do funk carioca a grandes compositores, como Caetano Veloso. Harry Styles passou pelo pop, se lançou solo como folk (remetendo seu estilo musical a grandes sucessos de antigamente) e, agora, conseguiu mais de 12 milhões de visualizações em um único dia ao lançar o clipe da sua música “Lights Up”, que veio em um ritmo diferente de ambos trabalhados anteriormente, uma espécie de pop alternativo. A Billie Elish já comentou diversas vezes sobre sua vastidão de inspirações musicais e artísticas. E, em apenas um álbum, conseguiu unir diferentes ritmos, provocando sentimentos diferentes a cada música.

Acertando em cheio na dor do cliente de uma maneira performática, alguns clipes da Billie te atingem profundamente – é um sentimento compartilhado por milhões de adolescentes. Um dos maiores sucessos da cantora é o clipe “When the Party is over”, inspirado numa fanart – o desenho feito e entregue por uma fã. O resultado superou as expectativas do público, mas para isso teve uma produção à altura: nada foi simplesmente computação gráfica. “Levamos 12 horas em seis takes de filmagem com a tinta preta em meus olhos. [A tinta] estava mesmo em meus olhos, aquilo era muito muito real”, revelou a cantora.

Para fazer seus shows, a cantora Anitta também quer saber o que o cliente quer ouvir. Para ter certeza disso, ela utiliza pesquisa de mercado para entender as músicas mais ouvidas pelo público. Para o seu show no Rock in Rio, por exemplo, a cantora resolveu montar um storytelling que contava sua relação com o funk até o seu momento atual da carreira. Tudo isso estava conectado também ao seu figurino: criado pela Colcci, continha as cores da nova bebida que ela vai lançar em parceria com a Ambev, a Skol Beats 150BPM. Nada é por acaso no show. A cantora foi a primeira a levar o funk, gênero musical nascido nos morros do Rio, ao palco mundo – depois de anos de negociações para conseguir realizar sua apresentação – mas teve uma estratégia que iniciou ainda em 2011. Muito planejamento e consistência nos trabalhos da sua marca pessoal.

Já o novo álbum do cantor Harry Styles – Fine Line, com lançamento anunciado ainda hoje para o dia 13 de dezembro de 2019 – já tem boas perspectivas de resultado. O primeiro clipe, “Lights Up”, soma atualmente mais de 30 milhões de visualizações, mas fez 12 mi em um único dia. Apesar do cantor ter anunciado que sairia das redes sociais para se dedicar totalmente ao seu álbum novo, digamos que ele não ficou somente “compondo”. O inglês foi a personalidade de uma das maiores marcas de moda do mundo, a Gucci. E representou fortemente uma nova fase da moda: a das roupas agênero. 

Antes da divulgação do clipe, também foram espalhados diversos posters por algumas cidades com a frase “Do you know who you are?”, assinadas pela sigla “TPWK”, mensagem que o próprio cantor deixou antes de se ausentar do instagram: “Treat people with kindness” (trate as pessoas com bondade). A frase não anuncia somente uma música, mas toda a linha que seu novo álbum seguirá – falando sobre inclusão, sexualidade e sentimentos. “Eu quero fazer as pessoas se sentirem confortáveis ​​sendo o que elas querem ser. […] Eu sei que, como um homem branco, eu não vejo as mesmas coisas que muitas pessoas que vão para os shows”, disse o cantor à revista Rolling Stones.

Na prática: o que aprendemos com esses cantores?

  • Defina seu nicho. Mas isso não significa que você precisa fazer exatamente a mesma coisa sempre. Inove dentro do seu segmento. Faça num ritmo diferente.
  • Se atente à necessidade do seu cliente. Vimos que todos esses cantores falaram de assuntos sociais: a inclusão da cultura da favela em grandes festivais, a depressão que atinge cada vez pessoas mais jovens, a polaridade nas discussões sobre gênero e sexualidade. Todos esses assuntos são dores sociais. Você pode escolher não ir tão a fundo, mas precisa entender e solucionar a necessidade do seu cliente.
  • Sua comunicação precisa ser efetiva e criar conexão. Seja criando um relacionamento com o cliente, seja criando campanhas multifacetadas que conversem entre si, seja reconhecendo o que o cliente pediu e fazendo algo a respeito. 
  • Planeje e, realmente, faça. Todos eles tiveram ideias diferenciadas para lançamentos – mas nada ficou somente no plano. Toda a estratégia estava clara, o planejamento foi seguido e a ação foi efetiva. Esse conjunto gera resultados normalmente positivos.

Se você curte nossos conteúdos, acompanhe também nossas redes sociais: @kizunabranding e fb.com/kizunabranding.

Não, obrigada.

empreendedorismojobsportfólio

Vamos praticar a imaginação: na sala 1, estão todos aqueles clientes que você sempre sonhou em trabalhar. Na sala 2, são aqueles outros pelo quais você não esperava tanto assim. Quem é que chega primeiro quando você começa a empreender? Para muitas pessoas, a resposta é a sala 2.

Quando se está começando, as estratégias e preferências são um pouco diferentes de quando o caminho já está melhor traçado. No início, você precisa de capital para começar a investir. Por isso, aceita até pegar alguns clientes que não gostaria tanto assim para se desenvolver melhor: seja financeiramente; seja para formar portfólio; seja para ter mais experiência em determinada área.

À medida que o tempo vai passando, e a empresa começa a se estruturar melhor, dizer “não, obrigada” começa a ser uma opção. Mas estamos tão presos ao modelo do início que acabamos optando pelo sim. “E se sair aquele outro cliente?”, “E se eu não pagar minhas contas este mês?”, “E se meu portfólio não for suficiente?”. São muitas questões que surgem e influenciam na decisão final. Mas vou listar algumas perguntas de reflexão para se chegar ao “não” com mais propriedade.

Imagem: @criatilha

1. Este é mesmo o seu trabalho?

Nem sempre se faz o que se ama quando a empresa está iniciando, isso é um fato. Queremos projetos ambiciosos, mas precisamos pegar também o feijão com arroz para manter o dia a dia. O que não vale é pegar um trabalho que não é o know-how do seu negócio só para dizer que tem um cliente ou já fez alguma coisa. Mantenha-se no foco!

2. Você tem outras prioridades?

Se você já tem 99 problemas e não consegue dizer não para mais um, definitivamente, não é o momento de pegar este cliente. Podemos até nos disponibilizar a fazer um trabalho diferente em busca de expandir conhecimento, mas é preciso ter tempo e comprometimento para se dedicar a novos rumos.

3. Em quê este job vai te agregar?

Aquela sua prima que mal fala com você resolveu abrir uma empresa e te pediu um preço especial só para família? Pense um pouco antes de se sentir culpada em negar. Esse trabalho pode ser só mais e não te agregar em nada! Se não trouxer melhoria para o seu portfólio e o preço não valer a pena, é melhor repassar para outra pessoa de confiança

4. Você precisa desse job para pagar suas contas?

E, claro, o ponto que sempre fala mais alto: “esse job é essencial para pagar meus custos”? Nessa hora, você precisa lembrar que não é apenas o dinheiro que está envolvido. Tem também seu tempo, sua expertise, seu equipamento e, talvez, outras pessoas da sua equipe.

Esperamos que essas dicas te ajudem na hora de decidir a dizer um “Não, obrigada” sem culpa. Além de liberar espaço na agenda, você terá tempo de procurar os jobs que realmente vão agregar valor para você.

O que aprendemos com nossos antepassados?

marketing digital

Em geral, temos muito o que aprender com quem já viveu o que estamos vivendo. Seus avós sempre têm um conselho sobre a vida pra oferecer. Seus pais, nem se fala! Muitas vezes, parecem a previsão do tempo – só que funcionando de verdade.

Mantendo o mesmo raciocínio, o que será que temos a aprender com as mídias e formas de vendas passadas? Estamos mesmo no tempo de largar todas as antigas técnicas e investir somente no digital? Todo o aprendizado, os anos de desenvolvimento e as pessoas e mais pessoas testadas não têm nada a dizer? Acredito que sim.

Vai dizer que a sua mãe não tem uma “tupperware”? A minha tem uma coleção! A marca é vendida até hoje pelo voto confiável de “uma amiga que vende”. O pagamento é facilitado, e o discurso é de quem já experimentou e não abre mão. Qualquer semelhança com os influenciadores não é tanta coincidência assim. Trocamos um pouco o lado comercial pelo “discurso lifestyle” – o discurso de venda vem embutido num dia a dia cheio de atividades reais. Mas, aprendemos com a revendedora antigamente que a credibilidade vem de uma identificação de alguém que já testou, alguém que você confia, que experimenta por você. 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Outro ponto que vem de tempos primórdios é: o horário da novela das 8 (hoje, 21h). Uma das faixas mais caras da TV. Isso por uma simples palavrinha: audiência. E, ora vejam só, qual é um dos horários de maior audiência do instagram? Isso mesmo: por volta das 21h. Aquela hora em que o trabalhador brasileiro voltou do trabalho, arrumou tudo em casa, jantou, malhou, passeou com o cachorro e, aí, sentou pra descansar. A diferença é que antes era na TV, agora é na smartv ou no smartphone. O horário nobre ainda é de noite (até abriu uma brechinha meio dia), mas a tela é outra.

Até hoje as TVs e rádios disputam por grandes números que fortalecem suas vendas. E o ensinamento vale também pro digital: porque postar quando tenho menos público online? Em tempos de compra de likes, o engajamento é sua melhor alternativa. E nada melhor do que muita gente online para facilitar esse bate-papo.

Outra tradição que iniciou em 1941 no Brasil foi o entretenimento via rádio. Nesta época, o que ganhava picos de audiência era a novela “Em Busca da Felicidade”. Hoje, temos uma vastidão de podcasts para escolher – e há quem nunca ouviu um podcast em pleno 2019 (alô pra você que se identificou). Dos informativos aos engraçados, o podcast entretêm os que estão ocupados fazendo alguma coisa, dirigindo pra casa ou mesmo querendo fechar os olhos e ouvir alguma coisa. O podcast pode até ser novidade no Brasil, mas o aprendizado é antigo. 

O fato é que os hábitos enraizados nas culturas permanecem por longos anos. E precisa de muito movimento para mudar. A gente sempre usa o exemplo “antigamente, na calçada, a rodinha de conversa era o grupo de whatsapp”. A gente não fica mais na calçada, mas todo dia a gente atualiza os assuntos nos grupos, nos DMs, nos posts do feed. Não há como negar que o online veio revolucionar nossa forma de se comunicar, de vender e de fazer negócio. Mas se soubermos usar o conhecimento dos nossos antepassados nesta nova plataforma, vamos ter resultados ainda melhores.

Quem é você além da sua profissão?

marketing digital

Um artigo para dedicado a todos, mas, em especial, às mulheres.

Tudo começa numa escadinha: primeiro você é “a estagiária”: aquela que tá aprendendo, que erra, mas está ávida por aprender. Depois, você passa a ser assistente, deixando de lado o marasmo dos erros e tomando seu lugar de aprendiz. Subindo mais um degrau, você se torna analista. Já toma decisões, já ensina outros estagiários, já tem responsabilidades só suas. Até que você chega na confortável posição de gerente. Soa fácil da sua boca dizer: “sim, sou a gerente de marketing, fulana de tal”. Sua chancela carimbada por seu emprego. Seu nome no mercado. Será mesmo?

Eis que o cargo de gerente me inquietou. Um ano depois de montar minha empresa, tive que preencher um formulário com a seguinte pergunta: “Qual sua profissão?”. Aquilo me pegou. O que responder quando não se é a “gerente-fulana-de-tal”? Poderia dizer: sou a jornalista que sempre fui e dito com orgulho. Embora, na realidade, eu atue mais na publicidade. Ou eu seria webdesigner porque faço sites e outros designs de marca?

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

A verdade foi que essa pergunta me levou a sérias reflexões. Afinal, quem você é além do título da sua profissão? Estamos muito acostumadas ~ especialmente no mundo mulheres-modernas-empoderadas ~ a responder sem sombra de dúvidas nossa profissão ao ouvir “Mas, e ae? O que você faz?”.

Quando proclamam essa pergunta, ninguém costuma responder: “olha, eu escrevo cartas à mão, mesmo já existindo e-mail e whatsapp”. Ou “eu cozinho eventualmente com os amigos e sempre uso pimenta-do-reino em tudo”. No mínimo, iam te achar meio maluca. A primeira resposta que vem à cabeça está quase sempre ligada à profissão, ao seu “dever” na sociedade.

O fato é que a gente passa (e faz) inúmeras coisas para viver. Por vezes, somos estudantes, mas também adolescentes tentando descobrir como funciona o mundo – ou melhor, o seu mundo. Podemos ser donas de casa, esposas, mães (e isso dá mais experiência que qualquer cargo de gerência), amigas, irmãs, colegas, tias, artistas, musicistas, voluntárias.

Podemos nos formar em jornalismo, mas ser meio designer; administrar uma empresa, fazer a publicidade pra muita gente e prestar consultoria em vendas. Podemos ainda mudar o percurso ao longo do caminho e estudar gastronomia, abrir um bar, fazer festas e depois largar tudo de mão para cuidar dos filhos. Voltar ao mercado sendo professora e, depois, descobrir sabe fazer as próprias roupas e resolver investir nisso. O que somos e o que fazemos para viver – e nos sentir vivas – vai muito além do título da nossa formação.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Para construir sua carreira, o foco é imprescindível. Mas é importante mesmo é começar, ter interesse pelo aprendizado de qualquer coisa que instigue a sua vida e aproveitar as oportunidades que surgem ao longo da sua carreira. Se especializar e buscar sempre estudar é óbvio, mas é preciso lembrar que “o que você faz da vida” vai muito além do título do seu diploma.